segunda-feira, 30 de junho de 2014

RIR AINDA É O MELHOR REMÉDIO!




Esta situação não presenciei pessoalmente, mas, me foi contada e me juraram que é verdade!

Lua cheia.

Algumas Ninfas conversavam animadamente. De repente, um DoutrInador aproximou-se e, dirigindo a Ninfa que era um pouco mais fortezinha do que as outras, perguntou:

_ Ninfa, você é Lua?
_ A Ninfa olhou para o Mestre e respondeu:
_ Sim, sou Lua e Lua cheia!

sábado, 21 de junho de 2014

Palavra de Aganara: VEJA JESUS NAS RUAS DE SUA CIDADE! SAIBA COMO.


Salve Deus. Jesus em nossos corações.




Meus irmãos em Cristo!

Jesus está entre nós.  O Mestre está entre nós e muitas pessoas, muitos de nós, não o vemos! Se você andar pelas ruas de sua cidade e usar o olhar do verdadeiro cristão, tiver amor no coração e cultivar a tolerância e a humildade poderá, inclusive, fazer contato com Jesus; este Jesus que anda pelas ruas e calçadas de todas as cidades.
Um dia, disse Jesus: "Quem fizer a um desses pequeninos é a mim que o fareis.". E, assim, Jesus está representado naquele mendigo mau cheiroso, esquecido pelas calçadas, nos miseráveis escravos das drogas, nos pedintes, que tantas vezes nos estendem a mão sem receber sequer um olhar ou um sorriso! Jesus está no pequeno ladrão que busca deseperadamente tomar à força os meios que a vida lhe nega. Jesus está nos prostituídos, sofredores de toda a desgraças, está nos seres mortos em vida que, sem rumo e sem abrigo, rondam por todo o lado, sem direção.
Meu irmão, minha irmã, quando Jesus andou por este mundo, vagando, caminhando por toda a parte em cuprimento de sua missão como um cigano, como um andarilho, ele certamente não tinha um aparência como a de um magnata, de um empresário: enfrentava o calor que o fazia suar, as poeiras dos caminhos sem urbanização, as roupas poucas e usadas muitas vezes, a barba e o cabelos longos... certamente, muitos, também naquela época distante também viraram o rosto para não enxergarem a figura do Cristo, como hoje fazemos com os pequeninos que a vida coloca sob nossos olhos. E muitas vezes Jesus foi taxado de "vagabundo" " arruaceiro" "desordeiro"...
Um dia, eu estava no ponto do ônibus para ir ao trabalho e um rapaz de péssima aparência, roupas rasgadas e um cheiro bem desagradável se aproximou dos que ali também esperavam o ônibus e pedia uma moeda. As pessoas se afastavam e alguns, inclusive, diziam palavras agressivas ao rapaz; não lhe davam a atenção. Embora com receio de ser agredida fisica ou verbalmente fiquei no lugar ate que ele se aproximou e me pediu o dinheiro. Eu lhe disse que, infelizmente eu não tinha nem uma moeda naquele momento mas, que ia rezar por ele. Ele me olhou de cima abaixo e disse; " Deus pague a senhora, dona, porque a senhora me tratou igual gente. Tem muito tempo que ninguém fala comigo assim... as pessoas acham que a gente é bicho. Não precisa correr da gente nem xingar, muitas vezes uma conversa é melhor do que dinheiro. E se afastou.
Embora constrangida, porque as pessoas estavam me olhando como se eu fosse louca por ter onversado com o rapaz, que podia ser um marginal, podia me agredirr ou coisa parecida mas, olhei, e percebi , também que, algumas estavam envergonhadas pela atitude que tiveram- na verdade, o rapaz só queria atenção...
Por isto, passe a olhar os tantos "jesuses" que pululam por aí. Se você olhar bem vai achar muitas igualdades entre eles e o Mestre que queremos seguir. E, se você ainda não tem humildade suficiente nem tolerância necessária ou mesmo o seu amor ainda não é incondicional pois todos estamos tentando fortalecer em nós esses sentimentos, faça uma prece silenciosa em favor do necessitado, deste Jesus renegado que você encontrar e, certamente, apesar de não o auxiliar materialmente, nem o acolher, nem a abraçar o Mestre Jesus certamente, nesta hora, o fará.
Um dia de Luz. Jesus em nossos corações, sempre! 

segunda-feira, 16 de junho de 2014

A MALDADE DA FOFOCA- Texto transcrito.



imagem de internet


Infelizmente, a fofoca é uma realidade que está impregnada em todos os meandros da vida social: nas reuniões familiares, nas festas, nos encontros de amigos num barzinho, nos corredores das escolas e faculdades, no ambiente profissional, etc.

Está tão impregnada que já se perdeu a noção da sua maldade. E, como é bom lembrar, a fofoca, mesmo que seja leviana, dita sem grandes pretensões, provoca um grande mal.

Qual é a maldade da fofoca?

Sua maldade é denegrir a fama das pessoas. Como sabemos, todo homem tem direito à sua fama e, sem causa justa, não é lícito tirar-lhe essa boa fama. E a causa justa se dá em pouquíssimos casos.

Shakespeare tinha razão ao pôr na boca de um personagem estas palavras:
“Que a boa fama para o homem, senhor, como para a mulher, é a jóia de maior valor que se possui. Quem furta a minha bolsa me desfalca de um pouco de dinheiro. É alguma coisa e é nada. Assim como era meu, passa a ser de outro, após ter sido de mil outros. Mas o que me subtrai o meu bom nome defrauda-me de um bem que a ele não enriquece e a mim me torna totalmente pobre”
(Shakespeare, “Otelo”, Ato III).

A difamação assemelha-se ao roubo. Assim como há roubo material, há roubo imaterial: roubar a boa fama de alguém.

A maldade em tirar a boa fama de alguém também fica evidente numa penitência inusitada que deu uma vez São Felipe Neri a uma pessoa. Numa ocasião, uma senhora foi se confessar com São Felipe Neri acusando-se de ter difamado gravemente uma pessoa. Como penitência, ele lhe disse que fosse até a sua casa e pegasse umas penas de galinha e no caminho de volta para a igreja fosse jogando as penas no chão. Uma vez de volta à igreja, a senhora foi falar novamente com o santo. São Felipe, depois de elogiar a sua obediência, disse-lhe:
- Agora volte pelo mesmo caminho e recolha todas as penas e traga-me aqui.
- Mas, padre, o que é que o senhor está dizendo? O vento já levou todas!
- Exatamente. A senhora jamais poderá reuni-las novamente, como jamais poderá reunir nem retirar as palavras infamantes contra o próximo. Já passaram de boca em boca e daqui a pouco todos estarão pensando mal desta pessoa, sendo que talvez nem seja culpada do que fez.

Penso que os maiores motivos para não falarmos mal das pessoas sejam estes:
- não falar mal dos outros porque não queremos que falem mal de nós; se é para falar mal, que nos falem na cara, para nos ajudar, para nos corrigir;
- porque o falar mal dos outros gera um clima de desconfiança generalizada nas pessoas, e isso é muito ruim;
- porque é deslealdade, covardia e orgulho: quem é leal não é covarde e fala as coisas na cara; o orgulho é porque no fundo quem fofoca acha que só ele é bom e os demais não são.

Façamos o propósito de não falar mal por trás de ninguém. A reação cristã é rezar e falar para ajudar, porque queremos o bem de todos. E que muitas vezes vivamos o que dizia um santo:
"Se não é para louvares, cala-te!"

Façamos o propósito de erradicar a fofoca de todos os ambientes, indo na frente, tentando explicar para as pessoas a deslealdade e toda a maldade que a supõe.

Coloquemos isso em prática e respiraremos um ar muito mais puro, sustentável.

Uma santa semana a todos!

(Pe. Paulo M. Ramalho)


sábado, 14 de junho de 2014

PYTHIA :Você sabe quem foi?



imagem da internet



Era a sacerdotisa do Templo do deus Apolo, templo este ficava na encosta do Monte parnaso em Delfos na Antiga Grécia.

Pytia era famosa por sua profecias que traziam multidões ao templo de Apolo em busca de respostas para os mais variados problemas. Sua profecas erm feitas sob inspiração do deus Apolo e a fama e o respeito que apopulação tinha pela profetisa Pythia pode ser considerada extraordinário por ser a mesma do sexo feminino e a sociedade daquela época ser comandada por homens. O Oráculo de Delfos teve seu início no séc. VIII aC e teve seu término em 393 dC,por ordem do Imperador Romano Teodósio, que ordenou o seu fechamento.
O nome Pythia significa serpente e sabe-se que ela proferia seus oráculos sentada sobre um banco que ficava sobre uma fenda na rocha de onde saía um vapor, entao em transe, Pythia declaraa as profecias , de forma iengmática e inetelegível, precisando para que os consulentes entedessem eram traduzidas pelos sacrdotes do Templo.

Conduta Doutrinária de acordo com a Lei do Amanhecer.






CONDUTA DOUTRINARIA.

Dentro da correta conduta doutrinária e por sua perceção, o médium considera tudo de forma isenta de simpatias ou antipatias, transformando seus conceitos em ação, pelo uso correto de seu discernimento, dentro das situações em que foi colocado pelo seu transcendental, enfrenta a sua sombra, procurando se harmonizar, buscando o conhecimento, o conceito verdadeiro de tudo que o cerca e se disciplina, trabalha com mais precisão na Lei do Auxílio, e se aperfeiçoando na expressão das palavras corretas, manipula um grande potencial de energia e faz proveitosa utilização das forças de que dispõe.
Sabe que existe uma necessidade, tanto fisiológica como psicológica, para interação com outras pessoas. Não são suficientes as impressões sensoriais transmitidas pelo plano físico, mas sim as que estão ligadas aos campos vibracionais gerados pelo conjunto de indivíduos.
O médium do Amanhecer é consagrado, tem seu plexo iniciático, pelo Desenvolvimento penetra nos segredos da Vida e da Morte, tem consciência de sua missão, de seu carma, das Leis que o regem. Tem todas as condições para fazer o traçado de sua jornada, dentro do seu conhecimento universal.
Mas, existe o livre arbítrio. O Jaguar sabe o que é certo, mas, por vaidade, ambição, preconceitos e desamor, deixa-se levar por outros caminhos, desobedecendo a leis sociais, morais e doutrinárias, deixando prevalecer sua sombra. Alguns pensam que as Leis do Amanhecer são para serem cumpridas apenas em seus trabalhos no Templo. E quando chegarem a Pedra Branca, forem se encontrar consigo mesmos e com a realidade de suas vidas, terão grandes choques ao ver o quanto deixaram de fazer por estarem fora da conduta doutrinária. Segundo Tia Neiva, o Templo é um lugar onde os espíritos estão à vontade. Ali, tudo é possível. O comportamento do médium pode lhe ser prejudicial, pois numa conversa, com gesticulações, abre sua guarda e fica com seu plexo exposto, podendo captar uma força esparsa ou algum espírito que, por alguma afinidade, possa estar próximo, e seguir o médium. Também nos disse para tomar cuidado para não importunarmos os outros, principalmente os médiuns, pois ninguém tem o direito de aborrecer ninguém, chamando a atenção ou dizendo “não deves fazer isso, não deves fazer aquilo...”.
Na Doutrina do Amanhecer somos preparados, desde o condicionamento do sono cultural, quando nos preparávamos para esta reencarnação, para o cumprimento de uma missão simétrica, dentro do poder dos Tumuchys que, graduadamente, chega até nós, com o objetivo unicamente da cura desobsessiva. Não temos missão de realizar fenómenos físicos nem de curar pessoas. Não temos motivos para exibicionismos nem vaidade. Temos, sim, que ter o maior cuidado com o nosso comportamento, com atos e palavras, para não criar choques com nossos irmãos, encarnados e desencarnados, gerando conflitos e fazendo desaparecer a sintonia com a Espiritualidade Maior, que nos acompanha passo a passo, e que não pode ser enganada.
Segundo Mateus (15-8 a 20), Jesus nos advertiu: “Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem, porque do coração procedem os maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfémias... São estas coisas que contaminam o homem!”
Estamos sendo preparados para as horas de desespero da Humanidade, para a libertação de espíritos, para a ajuda de pessoas que estão perdidas em suas desesperanças.
Temos que ter equilíbrio, firmeza e, o principal, amor incondicional. Para isso, é preciso ter a mente equilibrada e a consciência esclarecida, o que só conseguiremos por meio da correta conduta doutrinária. Por ela, respeitamos e nos fazemos respeitar em um mundo conturbado. Pela conduta doutrinária podemos superar nosso carma, caminhando com a Ciência e com a Fé, complementando com a Lei de Deus a Lei dos Homens, para ter um conjunto completo de normas e diretrizes que farão com se cumpra a parte do Mantra Universal, o Pai Nosso, onde emitimos: “Seja feita a Tua vontade assim na Terra como nos Planos Espirituais...”. Com isso, estaremos equilibrando nossas vidas, tanto na parte física como na espiritual, trabalhando materialmente, executando nossas funções biológicas, sociais e psicológicas, em sintonia com os nossos Mentores, criando para nós mesmos condições ideais para o trabalho na Lei do Auxílio. Temos que ter nossa perceção consciente ligada a uma bem desenvolvida sensibilidade, de modo que possamos ver cada coisa, cada pessoa do universo que nos cerca, com os olhos, com a mente, com a consciência e com a alma. Nossa personalidade transitória, sujeita a problemas, tanto sentimentais como físicos, nos leva a insatisfações, dores, angústias, sofrimentos e irrealizações, que devem ser avaliados e entendidos por nossa individualidade transcendental, depois de
analisados por nossa consciência.
Vamos evitar palavras que criem discórdias, conflitos ou confusão; vamos evitar mentiras e boatos; vamos deixar que cada um leve a vida que quiser; vamos evitar críticas ou julgamentos; vamos nos preocupar em não ser nossa presença uma vibração pesada e desagradável. Vamos, sim, nos cuidar para que estejamos sempre bem, com a vibração positiva, esforçando-nos para conciliar e resolver conflitos, ajudar e equilibrar os que estão ao nosso redor. Vamos cuidar do nosso corpo e de nossa saúde física e mental, preservando nossa energia vital, que é a ferramenta que nos foi dada para cumprimento de nossa. Não vamos fazer algo ilegal ou danoso a alguém porque ninguém nos está vendo! Lembre-se daqueles dois Olhos em seu colete: nos alertam para que saibamos que a Espiritualidade nos contempla, penetrando esse Olhar nos nossos pensamentos, nos nossos corações, sabendo exatamente a realidade de nossas intenções, o que pretendemos com nossas palavras e ações a cada momento, nos avaliando, nos observando, nos julgando, nos entendendo e... nos amando!
Sabemos que a Espiritualidade é, sobretudo, justa. De acordo com nosso merecimento, dela recebemos tudo o que precisamos. E nosso merecimento depende de nossa conduta doutrinária. Não se deixar levar pelos caminhos floridos que levam aos negros abismos; não desafiar as leis físicas e sociais; não contrariar sua consciência levado pelas paixões ou pelo falso brilho das tentações e da vaidade; não largar seus compromissos materiais, a vida no lar, a família, enfim, estar sempre alerta para o cumprimento das Leis.
Cumprir e fazer cumprir as Leis, eis o segredo da conduta doutrinária.
Mesmo aquele que relega seus compromissos materiais e se dedica quase que exclusivamente a seu trabalho na Doutrina, está fora da conduta doutrinária, não aumentará seu merecimento.
Uma frase Koatay 108 repetiu em várias ocasiões, dizendo que só sabemos que estamos evoluindo quando deixamos de nos preocupar com a vida dos outros, que é a base para uma perfeita conduta doutrinária. Nosso cuidado deverá ser maior em tudo que envolva ações doutrinárias, quando estamos trabalhando no Templo ou realizando qualquer outro trabalho na Lei do Auxílio. A seriedade e concentração nos permitem agir plenamente, obedecendo às Leis que nos regem.
Aquele que leva inovações ou desconhece as Leis, que brinca ou não respeita os médiuns em um trabalho, está fora da conduta doutrinária. É triste ver o que acontece com muitos instrutores que, esquecidos de suas responsabilidades sociais e doutrinárias, deixam-se levar pelos encantos de ninfas em desenvolvimento, aumentando
seus carmas. Especialmente em qualquer trabalho na Doutrina do
Amanhecer, Pai Seta Branca exige a conduta doutrinária, isto é, além docomportamento do médium, a perfeita obediência ao estabelecido no Livro de Leis e Chaves Ritualísticas.

Salve Deus.

Texto baseado em postagem do Mestre Cristiano Patrício, Adj. Abazo.



quarta-feira, 11 de junho de 2014

PAPO DE CIGANA- receita culinária..








Ingredientes

.8 gemas em temperatura ambiente
.½ colher (sopa) de farinha de trigo
.Manteiga para untar
.4 xícaras de açúcar
.4 xícaras de água
.1 pacotinho (10g) de açúcar de baunilha

Modo de preparo

Na batedeira, bata as gemas por 15 minutos ou até que fiquem bem fofas e leves. Junte a farinha peneirada misturando levemente com uma colher. Distribua a massa entre 20 forminhas de empada de 5cm de diâmetro untadas com manteiga. Leve ao forno moderado (180°C), preaquecido, por 12 minutos ou até dourarem. Deixe esfriar e desenforme. Em uma panela, leve ao fogo alto o açúcar com a água e o açúcar de baunilha e deixe ferver. Cozinhe por 20 minutos ou até obter uma calda rala. Em uma tigela, regue os papos de anjo com a calda. Deixe esfriar, leve à geladeira por três horas e sirvaota: Pode ser adicionada água para obter a espessura desejada

segunda-feira, 9 de junho de 2014

PYTIA - A História no Vale do Amanhecer.


PYTIA foi a Grande Sacerdotisa do Oráculo de Delfos, tendo como missão preparar aquele mundo para a vinda de Jesus, aconselhando reis e nobres que chgavam a ela para consultá-la sobre assuntos de diversas naturezas, ligados ao poder, às guerras e às realizações sociais e de caráter particular, e que ficavam fascinados pelos fenômenos que a Pitonisa produzia pelos poderes da Alta Magia. Pelos encantos de Pytia aqueles reis foram aceitando a ideia do Deus Único, do Deus do Amor, na preparação dos povos para o  cristianismo. Quando foi submetida a um julgamento- o que acontecia sempre que houvesse dúvida sobre a mensagem de uma pitonisa- Pytia produziu, pela primeira vez, o fenômeno do rufar dos tambores. Entre a entrada do Templo e o anfiteatro existe um caminho, onde os guardas se postavam com os tambores. A cada passo que a pitonisa a ser julgada percorria, rufava um tambor onde ela passava, de modo que o povo reunido no anfiteatro percebia sua aproximação. Quando Pyia estava diante dos seus juízes, provou sua força fazendo com que, independentemente dos soldados, todos os tambores rufassem ao mesmo tempo, sendo, então, reconhecidos seus poderes. Esse fenômeno ela reproduziu em Atenas, quando comprovou seus poderes a Leônidas, para libertar a Rainha Exilada,
como se revive no Turigano. Pytia organizou as Falanges Missionárias de Yurici, Jaçanãs, Muruaicys e Darman Oxinto, após a instalação do Caminho no Delta do Nilo.
"Pytia, embora divina, também era humana. Com o tempo e devido ao excesso de profecias, que lhe exigiam jejum de v""ários dias, Pytia, após cada oráculo, desfalecia e sua recuperação requeria vários dias de repouso. Daí a razão dela escolher jovens, cujos maridos estavam sempre nas guerras, para auxiliá-la em sua missão. Estas jovens- as Yuricys, que quer dizer Flor do Campo na linguagem indígena- percorriam as planícies gregas e macedônicas, socorrendo, sob sua inspiração, os soldados feridos em combate, as famílias desgarradas de suas tribos, etc. Uma delas, a Primeira Yuricy, indígena do Espaço, enviada de outros planos, era a Mestre da Ordem das Yuricys. Como elas não incorporavam nem profetizavam, Pytia, pressentindo a morte física, determinou que elas moldassem as Jaçanãs, que eram moças fugidas das tribos mercenárias que teriam a missão de fazer as profecias do Templo de Apolo. Aqui estamos, com a mesma missão que recebemos um dia, em outros tempos: auxiliar a missão, compreender e cuidar da nossa Clarividente. Nossa missão já não é socorrer os soldados feridos fisicamente nos campos de batalha nem as famílias desgarradas, mas, sim, auxiliar, juntamente como os soldados do exército de Pai Seta Branca, a Humanidade, que se encontra perdida e ferida espiritualmente, numa batalha inglória pela posse das coisas materiais".( Adj Yuricy, s/d)    Observações Tumarã, p.490-491.

sábado, 7 de junho de 2014

UNIFORME DE JAGUAR: posso andar com ele na rua? Orientações de Tia Neiva.





Esta postagem é parte integrante do áudio " Retiro nos Templos" no qual Tia Neiva dá diversas orientações aos jaguares com respeito ã importância do Retiro para nós e, também orienta quanto ao uso das indumentárias do Mestres, tanto o" branquinho" quanto o de jaguar, marrom e preto, que homenageia Francisco de Assis. Temos consciência da importância da boa apresentação do missionário para o cumprimento da missão não se referindo a luxo ou ostentação, apenas que a roupa esteja apresentável, lavada, passada, sem rasgos, pois nossa Mãe muito se preocupava com esta questão. Entretanto, farei a transcrição apenas do trecho que Tia fala sobre o do uniforme fora do Templo e ela diz com todas as letras que ela mesma saía com ele; tem muitos jaguares que apresentam verdadeiras superstições quanto ao uso do uniforme nas ruas, nas idas para casa etc; espero que esta postagem desmistifique a ideia errônea que é passada de jaguar para jaguar. Salve Deus. Nossa Mãe deixou tudo registrado, todos os ensinamentos ficaram bem explicadinhos e é a sua Voz que devemos ouvir! E, no trecho da gravação, ela assim deixou registrado com sua carinhosa voz:

" Nós não podemos e é até proibido calça de cores , calça esporte e de cor e o uniforme branco por cima. É ridículo e eu não gosto. Salve Deus.
Eu fui muito exigente. Principalmente na UESB eu era muito exigente com o uniforme. Aqui estou deixando um pouco, mas estou voltando. Eu tenho um orgulho muito grande por vocês a única coisa também que e eu  amo e tenho orgulho é de vocês. Eu amo demais vocês e não quero ver vocês ridículos. Porque todo mundo fala, Em todos esses trabalhos por aí, nesses terreiros a coisa mais comentada é esse uniforme aqui do Amanhecer. Nós não temos vergonha de sair, eu saio, todos aqui, a maioria aqui sai de blusa preta, saia, calça comprida marrom. Esse uniforme do jaguar eu sei que muitos de vocês saem com ele, não sai? tira as cruzes e vai pra onde  quiser, vai pra casa, né? porque a gente não tem vergonha é a coisa linda mesmo eu acho que figurinista do mundo não fazia uma coisa tão original, tão bacana como esse uniforme do jaguar quando ele é bem feito. Salve Deus. 
Irmãos, embora Tia não tenha feito nenhuma restrição ao uso do uniforme fora dos horários de trabalho, devemos ter consciência dos lugares que podemos ir com o mesmo e é claro que isto todos sabem, e isto por uma questão de respeito. Salve Deus.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

JUNÇÃO: Saiba mais!


imagem da internet

A Junção, cujo Trabalho está no Livro de Leis, é uma Cura Iniciática feita com o fluido dos Doutrinadores, utilizando-se o magnético de sete forças ectoplasmáticas diferentes, que formam o aton para todas as necessidades, sem esquecer que a sua finalidade é a libertação de eítrios. O passe, na junção é puramente magnético, extraído do aton na individualidade do mestre iniciado, propiciando libertações na vida espiritual e material do paciente. Para ser efetivamente uma junção o paciente precisa receber sete passes. A função do Apará na junção é simples, pois incorpora seu Guia Médico e apenas controla seu ectoplasma, para que não se misture. Deve ser dada muita atenção para só passem pela junção os pacientes que foram expressamente indicados pelas Entidades, nos Tronos. Há cordenadores que, inadvertidamente,encaminham para a junção todos os pacientes que passam pela Cura, o que torna arrscado, pois muitos pacientes já antigos conhecendo a roina dos Trabalhos, deixam de passar nos Tronos e vão diretamente para a Cura. Embora, na Cura, isso prejudique a plenitude do que poderiam receber caso houvessem passado nos Tronos. É muito arriscado dexá-lo passr na junção sem a indicação de um Preto Velho.
Observações Tumarã, p.360) 

quarta-feira, 4 de junho de 2014

PRANA: Você sabe o que é?






 Na linha oriental Prana é fluido ou energia cósmica prima, universal, fora do espectro eletromagnético, existindo no plano sutil e se constitui na força vital do Universo. Compõe o corpo sutil do indivíduo, regulando suas relações internas e externas.O Prana não é uma forma particular de energia, mas sim a essência última de todas elas.: calor, luz, eletricidade, gravidade, enfim todas as forças ue agem na matéria, em suas múltiplas atividades, são expressões do Prana. Os gregos denominavam-no "éter", e os pesquisadores modernos o chamam de BIOPLASMA. Envolve e  permeia os tecidos mais densos do corpo, agindo de forma inteligente e propositada, controlando a atividade de cada molécula da matéria viva, transportando o princípio da vida de um lugar de um lugar para outro. Energiza, supervisiona epurifica os neurônios, sustentando a área sutil e vivicante ao mesmo modo que o plasma sanguíneo sustenta a parte mas densa. Além do prana único existem energias prânicas particulares, gerada ple sua diversificação, que atuam em todas as funções orgânicas e psíquicas do Homem- pensamentos, sentimentos, percepção e movimento. O sitema nervoso extrai o prana de um tecido envolvente, uma essênia bioquímica de natureza altamente delicada que, eiste em nível molecular ou submolecular, localizado especialmente nos órgãos, que estão interligados com o cérebro através de conexões modulares, na espinha dorsal. Esta ligação é ativada e equilibrada pela ação da Kundalini. O prana tem ploridade, podendo ser acumulado, transformado e conduzido. É absorvido de diversas fontes,prncipalmente do Sol, do ar e dos alimentos, atuando através de um mecanismo cujo ritmo coincide com o da respiração pulmonar. Quando inspiramos, absorvemos prana;ao expirar o distribuimos pelos vários órgãos do corpo sutil, pelos nervos sutis- chamados nadis- e ele é armazenado nos chackras, para que onforme necessidades, seja liberado para todo organismo psíquico. A quatidade de prana absorvida pelo organismo é variável e detremina a capacidade enrgética do Homem. Em ambientes tranquilos, sem poluição, ensolarados, criam-se ascondições para maior absorvição do prana. Nos momentos em que se consegue harmonia mental, através da mentalização, também se conseguem maior quantidade desta maravilhosa energia. Assim, o pana não é, em si mesmo, consciência. É uma fina essência biológica que nutre o sistema receptivo da nossa consciência, que é o sistema nervoso, nosso contato com a consciência universal. Ele é ativado pela Kundalini numa ação altamente energizante. A corrente prânica é afetada pela paixões e emoções, pela comida e bebida, plos ambientes e pelo modo de vida; pelo desejo e pela ambiçao, pela conduta e pelo comportamento. Na realidade, depende de um sem número de estímulos, desde os mais fracos até os mais fortes, que acontecem ao Hoem desde que nasce até o seu desencarne. Por isto se faz necessário ter-se uma vida moral e equilibrada, dentro da conduta doutrinária, em ambientes saudáveis, não por preceitos religiosos, mas, sim, por um imperativo biológico diretamente ligado ao prana.

* Para melhor compreensão leia, neste blog " Energização pela mentalizção" e Kundalini.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

HORÁRIOS.- relógio do nosso Sol Interior.








Em 1984, Tia Neiva divulgou o “RELÓGIO DE NOSSO SOL INTERIOR”, para que buscássemos segui-lo nas nossas atividades diária, compatibilizando-as com o momento mais propício. Estabeleceu o seguinte:

6 horas- É o início do nosso relógio. Se quisermos ter segurança ou vivermos firmes com nossas vibrações, temos que nos levantar- mesmo eu seja por apenas dois minutos- as 6 horas da manhã, para que seja feita a união dos três reinos de nossa natureza e firmar a volta da alma ao corpo, sem qualquer prejuízo para o sistema nervoso. Pode deitar-se novamente e dormir.

6 às 9 horas- O perigo nos ronda entre 6 e 9 horas da manhã porque não temos alguém em nossa vigília. Corremos o perigo dos pedidos e das dádivas. Muita gente concentra suas vibrações no ódio- eis o perigo!

9 horas- É um horário significativo para as forças que estão dentro de nós, quando ficamos expostos a ualquer tipo de negócios- bons ou maus-. Maus, porque pedimos, muitas vezes o que é impossível. Dificilmente sabemos o que pedimos! É hora de manipulação de uma força que pode nos dar o que precisamos, que penetra em nosso Sol Interior esse faz Vida, pensamentos, inteligência: é a força Universal,a força absoluta de Deus Pai Todo Poderoso. É a realização do plexo pelas forças reunidas  dos três reinos de nossa natureza, força que realiza o nosso Sol Interior. precisamos de muita cautela, de muito amor, para cultivar o que está dentro de nós, o que temos formdo dentro de nosso Sol Interior. Iniciados ou não, o horário da vida é um só!
, é
9 às 10 horas- HORÁRIO INICIÁTICO EVANGÉLICO- Bom para acertos sentimentais, é o horário dos encontros amorosos , da realização de negócios, tudo sob a energia do prana que, neste horário, já emitiu seus eflúvios por todo este universo.

10 às 11 horas- Período em que já começam as perturbações. As pessoas mal assistidas começam a sentr peso nos chakras, principalmente nas frontes. Tia Neiva fala dos desprovidos da Força crística. É um horário em que estams vulneráveis. Pode ser bom ou pode ser ruim!...

11 às 12 horas- É um período neutro

12 horas- Ao meio-dia nada devemos fazer sequer uma prece para os enfermos.É a hora em que age a força significativa dos Grandes Iniciados, atuando nos poderosos mundos negros. É um período de grandes decisões nos vales negros! Existem trabalhos que exigem grande energia para sua realização e, também, muita precisão. No nosso tempo, aqui na Terra e tão curto o período para essa realização que nossa Lei nos ensina anos acautelarmos neste período.

12 às 14 horas- É um período de esperança.

14 às 16 horas-  É ótimo período para realizações nos campos sentimental, emocional, comercial e profissional. É um período governado pelo planeta Marte. Neste horário, uma amacê despende-se desprende-se de Marte e chega à Terra, onde distribui seus eflúvios, harmonizando todos.

16 às 16: 30  horas- Neste período o ciclo se modifica completamente, parecendo que a Terra vai parar. Gera insegurança e uma espécie de medo! Período muito curto (na realidade nem chega a 30 minutos) em que uma avalanche de antineutrons- escandaliza toda a natureza e todos, crísticos ou não, se aproveitam das forças interiores e se reforçam nas graças de Deus.  Este é o horário da Lei do Auxílio. Mas, é também, um horário de precaução, de cuidados. Se puder, evite não useo seu carro. Diziam os Arcanos que é um período em que a Terra pega fogo! Tia Neiva creditava que é um período em que não mais atinge o jaguar, porque este é ionizado de qualquer vibrações de espíritos que estão fora da Lei de Deus, apesar de que esses espíritos vêm em busca de uma oportunidade de se refazerem de seus trauma e se revestirem de suas consciências. Graças a Deus, é um período passageiro.

17 horas- O planta marte volta a agir. É o eterno movimento: vem uma grande força, é manipulada no Homem, e volta, sendo levda a mundos onde o Homem não é evangelizado. Nada se perde. Tudo é aproveitado na evangelização dos seres, em Deus Pai Todo Poderoso.

17 às 18 horas- As amacês fazem, por toda a Terra, uma balé de forças, emitindo a inteligência, a religião e muita energia. É hora da Vida e da Morte! Quando estamos nos planos espirituais, onde o Homem desencarnado se queixa pela falta de comunicação, de um esclarecimento de sua vida religiosa ou doutrinária, é neste horário que ele é levado à Terra, onde lhe é mostrada a grande Atalaia, onde tudo lhe é esclarecido, onde ele sabe que, por sua própria culpa, abandonou sua grande oportunidade. A obra de Deus é perfeita e não tem mistérios nem subterfúgios. É um bom período para negócios e grandes eventos nos laboratórios e oficinas.. Mas é, também, o período do esclarecimento do espírito, quando se conscientiza que o homem não se esclarece em Deus pai Todo Poderoso porque não quer! Ele teve a mente aberta, teve a Inteligência, teve tudo... e tudo abandonou! Esta é a hora de Deus, de Deus Pai Todo Poderoso.

18 às 19 horas-O Homem que quer a proveitar a Terra e seus dias sente a grande transformação nesse período. É uma mudança brusca, inclusive do clima.Mesmo eu o Homem esteja amargurado eou que tenha seu coração heio de amor, ele sente  transformação em si próprio.É o horário que o Homem recebe a energia das grandes amacês. É a hora das grandes transformações, principalmente daquele homem que não quer ser vítima do seu destino, daquele homem que não fez o seu rosário de dor.É o período  em eu o Homem recebe a coragem, as coisas ficam boas e ele deseja o que realmente tem, o que ele fez e o que é dele. Neste período três amacês de planetas diferentes vêm, nas graças de Deus, sustentar a Terra. É a hora em que uma criança que não tem o que comer nem com que se cobrir, não sente fome em frio, porque é atendida pelas grandes energias cósmicas, onde vive Jesus. Salve Deus!

19 às 22 horas- É um período normal, sem contratempos. É bom para o Homem s realizar em negócios, aores e família, enfim, nas coisas que estão em sintonia com sua harmonia.

22 às 23 horas- Período muito ruim. Cheia de pensamentos, a alam começa a vaguera trazendo sustos e superstições. Não vai longe, nem perto, e volta ao corpo, trazendo sonolência e insegurança quando o Homem está desarmonizado. Se estiver harmonizado, tudo bem. É um horário sem alimentação de energia.

23 às 24 horas- É o período de equilíbrio do Universo, no qual o Homem, mesmo desarmonizado, passa melhor porque, quando as amacês, nos bons horários se dispõem a trazer energias, elas atingem o Homem na individualidade, sendo crístico ou não, e sendo sua defesa uma só, esta energia o vai curando, independentemente de haver ou não sintonia. Com a manipulação durante o tempo dos eflúvios que vai recebendo, o Homem vai-se equlibrando e, por incrível que pareça pode ficar curado para toda a vida. Só não se equilibra o Homem que carrega em suas costas seu rosário de dor. Esse tipo de Homem é quase impenetrável
.
24 horas- Meia-Noite- Abrem-se os portões dos cemitérios e os espíritos se movimentam, entrando e saindo. Este período vai até 1h 30 min. da madrugada. Estes espíritos vão recebendo, neste período,  ajuda de Harpasios e de muitas outras estrelas como ela.

1:30 às 2 horas- É o período de grande movimentação de pequenas amacês, de várias origens, fazendo a preparação para a chegada dos Centuriões. É a Hora da Doutrina, da elevação dos espíritos. Por todos esse Universo, funciona da mesma maneira: falanges de inúmeras formações, espíritos de variados níveis são atingidos pela foca crística dos Centuriões. É tudo muito complexo pra ser entendido por nós. Há, também, outra qualidade de Homem, com pensamentos complexos, que atua neste período, até eu se chegue às duas horas da madrugada.

2 às 3 horas- É o período da Cura e da Luz.

3 às 6 horas- É o período dos Aromas das Matas, horário dos Caboclos. É bom estar dormindo durante este período, É a hora de recuperação de energia.
Filho: Todo Trabalho, trabalhado na hora certa forma uma corrente inquebrantável. Foi respeitando os horários que consgui contar 108 horários do meu trabalho: amor, tolerância e humildade!” Tia Neiva 19. 9.80
“Quando dormimos, os três reinos de nossa natureza, na sua totalidade, ficam para atender as exigências do corpo. De vez em quando, nossa alma sai a vaguear e, conforme sua mediunidade, chega a demorar-se fora do corpo. Passeia, vai longe, e adquire ilustrações, muitas vezes em busca da cura do próprio corpo físico.”( Tia Neiva, s/d, 1984).



A MEDIUNIDADE SOB INVESTIGAÇÃO: VALE A PENA LER!







Avanços da ciência da alma- Uma pesquisa inédita usa equipamentos de última geração para investigar o cérebro dos médiuns durante o transe. As conclusões surpreendem ele funciona de modo diferente.
Denise Paraná, da Filadélfia, Estados Unidos.

Estávamos no mês de julho de 2008. Na rua 34 da cidade da Filadélfia, nos Estados Unidos, num quarto de Hotel Penn Tower, um grupo seleto de pesquisadores e médiuns preparavam-se para algo inédito. Durante dez dias, dez médiuns brasileiros se colocariam à disposição de uma equipe de cientistas do Brasil  dos EUA, que usaria s mais modernas técnicas científicas para investigar a ontroversa experiência de comunicação com os mortos. Erm médiuns psiográficos, pessoas que se identificavam como capazes de receber mensagens escritas ditadas por espíritos, seres situados além da palpável matéria que a ciência tão bem reconhece. O cérebro dos médiuns seria vasculhado por equipamentos de alta tecnologia durante o transe mediúnico e fora dele. Os resultados seriam comparados. Como jornalista, fui convidada a acompanhar o experimento.Estava ali, cercada de um grupo de pessoas eu creditavam ser capazes de construir pontes com o mundo invisível. Seriam eles, de fato, capazes de tal engenharia?
A produção de exames de neuroimagem (conhecidos como tomografia por emissão de pósitrons) com médiuns psicógrafos em transe é uma experiência pioneira no mundo. Os cientistas  Júlio Peres, Alexandre Moreira-Almeida, Leonardo Caixeta, Frederico Leão e Andrew Newberg, responsáveis pela pesquisa, garantiram o uso de critérios rigorosamente científicos. Punham em jogo o peso e o aval de suas instituições. Eles pertencem as Universidades federais de Juiz de Fora, da Universidade Federal de Goiás e da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia. Principal autor do estudo, o psicólogo clínico e neurocientista Júlio Peres, pesquisador do programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade (Proser), do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de mediina da USP, acalentava a ideia que a experiência espiritual pudesse ser estudada por meio da neuroimagem..

PELA PRIMEIRA VEZ, O CÉREBRO DOS MÉDIUNS FOI INVESTIGADO COM OS RECURSOS MODERNO DA NEUROCIÊNCIA.

Em frente ao Q.G. dos médiuns do Hotem Penn Tower, o laboratório de pesquisa do Hospital da Universidade da Pensilvania estava pronto. Lá o cientista Andrew Newberg e sua equipe aguardavam ansiosos. Médico, diretor de pesquisa do Jefferosn- Myrna Brind Centro de Medicina Integrativae Especialista em neuroimagens de experiências religiosas, Newbweg é autor de vários livros, com títulos como Biologia da crença e princípios da neurotelogia. Suas pesquisas são consideradas uma referência mundial da área. Ele acabou por se tornar figura recorrente nos documentários que tratam de ciência e religião. Meses antes, Newberg escrevera da universidade da  Pensilvânia ao consulado dos EUA, em são Paulo, pedindo que facilitasse a entrada dos médiuns  em terras americanas. O consulado foi prestativo e organizou um arquiv especial com os nomes dos médiuns, classificando-os como “protocolo paranormal”.
“É conhecido o fato de experiências religiosas afetarem a atividade cerebral. Mas a resposta cerebral à mediunidade, a prática de estar supostamente em comunicação com ou sob o controle do espírito de uma pessoa morta, até então nunca tinha sido investigada”, diz Nebewrg. Os cientistas queriam investigar se havia alterações específicas na atividade cerebral durante a psicografia. Se houvessem, quais seriam? Os dez médicos, quatro homens e seis mulheres, participavam do experimento voluntariamente. Foram selecionados no Brasil por meio d uma longa triagem, Entre os pré-requisitos, tinham de ser destros, saudáveis e não TR nenhum tipo de transtorno mental e não usar medicações psiquiátricas. Metade dos voluntários diziam carregar décadas de experiência no “intercâmbio espiritual”. Outros, menos experientes, apenas alguns anos.
Na Filadélfia, antes da experiência começaram os médiuns passaram por uma fase de familiarização com os procedimentos e o ambiente do hospital onde seriam feitos os exames. Os experimentos só certo se os médiuns estivessem plenamente à vontade. Todos se perguntavam se o transe seria possível tão longe de casa, em um hospital em que se podiam perguntar se o Dr. Gregory House, o personagem de ficção interpretado pelo ator inglês Hugh Laurie, não apareceria ali a qualquer momento.

Numa sala com aviso de perigo, alta radiação, começaram os exames. Por meio do método conhecido pela sigla Spect ( Single Photon Emision Computed Tomografy, ou Tomografia Computadorizada de Emissão de Fóton Único), mapeou-se a atividade do cérebro por meio do fluxo sanguíneo de cada um dos médiuns durante o transe da psicografia. Com a tarefa de controle, o mesmo mapeamento foi realizado novamente, desta vez durante a escrita de um texto original de própria autoria do médium, uma redação sem transe e sem “cola espiritual”. Os autores do estudo partiam da seguinte hipótese: uma vez que tanto a psicografia como as outras escritas dos médiuns são textos planejados e intelegíveis, as áreas do cérebro associadas à criatividade e ao planejamento seriam recrutadas igualmente nas duas condições. Mas não foi o que aconteceu. Quando o mapeamento cerebral das duas atividades foi comparados os resultados causaram espanto.

Segundo a pesquisa, a mediunidade pode ser considerada uma manifestação saudável.

 Surpreentemente durante a psicografia os cérebros ativaram menos as áreasrelacionadas ao planejamento e à criatividade, mbora tenham sido produzidos mais complexos do que aqueles escritos sem “interferência espiritual”. Para os cientistas, isso seria compatível com a hipotese de que os médiuns defendem: a autoria da psicografia não seri deles, mas de espíritos comunicantes. Os médiuns mais experientes tiveram menor atividade cerebral durante a psicografia, quando comparada à escrita dos outros textos. Isso ocorreu apesar de a estrutura narrativa Ser mais complexa nas psicografias que nos outros textos. No que diz respeito a questões gramaticais, como o uso do sujeito, verbo, predicado, capacidade de produzir texto legível, compreensível, etc.
Apesar de haver varias semelhanças  entre a ativação cerebral dos médiuns estudados e pacientes esquizofrênicos, os resultados deixaram claro também que aqueles voluntários não tinham esquizofrenia ou qualquer outra doença mental. Os cientistas sfirmam que a descoberta de ativação de mesma área cerebral sublinha a a importância de mais pesquisas para distinguir entre as dissociações ( processo em as ações e comportamentos foge da consciência) patológica e não patológica. Entre o que é e o que não é doença, quando alguém se diz tocado por outra entidade. Os médiuns estudados relataram ilusões aparentes, alucinações auditivas, alteração de personalidade e, ainda assim, foram capazes de usar suas experiências mediúnicas para tentar ajudar os outros. Pode haver, portanto, formas saudáveis de dissociação.Uma das conclusões a que os cientistas chegaram é que a mediunidade envolve um tipo de dissociação não patológica, ou não doentia. A mediunidade pode ser uma expressão comum à natureza humana. Essas conclusões, que ÈPOCA antecipa na edição que chegou às bancas na sexta-feira (16) foram divulgadas na revista científica americana Plos One. O estudo neuroimagem durante o estado de transe;uma contribuição ao estudo da dissociação tem acesso gratuito desde sexta-feira, 16, no endereço eletrônico dx. plos.org/10.1371/ journal.pone.0048360.

O Cavaleiro e o Sábio.






Há alguns séculos atrás existia um rico cavaleiro possuidor de um grande castelo que ficava sobre uma linda colina. Este cavaleiro possuía muitas riquezas, muitos cavalo, escravos, um esposa fiel e filhos. Tinha robustos conhecimentos adquiridos em exaustivos estudos e nas longas e cruéis batalhas em terras longíquas e exóticas. Porém, era homem dado a poucas palavras, de semblante severo e poucos amigos. Ao retornar de uma guerra sangrenta e sem vencedores, abatido pelo cansaço e feridas, soube que em suas terras habitava um homem de extraordinário poder e conhecimento, a quem todos consultavam nos momentos de necessidade e a quem acorriam nas horas de aflição.
O nobre cavaleiro ficou ofendido por ser a autoridade máxima do feudo, pelo seu conhecimento invejável e por a distinção, coragem e nobreza, achava que devia ser o orientador, o condutor e mesmo conselheiro de toda aquela gente.
E, assim, cheio de curiosidade viajou muitas léguas para encontrar tão poderoso forasteiro.
Pelo caminho o imaginava: “Devia ser mais novo, pelo menos de 5 a 10 anos do que ele, ser mais forte. Devia ser mais instruído, talvez, qum sabe, até nos Institutos do Oriente. Podia ser um alquimista com poder sobre os elementos ou um mago conhecedor dos segredos da vida e da morte. Por tais atributos certamente era rico com seu castelo, seis cavalos, suas joias e sua numerosa família.” E assim pensando, viajou muitas léguas.
Buscava com os olhos algum sinal de aproximação com o homem famoso e nada encontrava. Apenas sabia estar no caminho certo porque filas e grupos de pessoas também se dirigiam em busca dele e seguiam a mesma direção.
De repente, vislumbrou uma fila na frente e que se perdia na floresta e perguntou ao último colocado se ali morava o homem que resolvia todos os problemas de todos. E diante da resposta positiva, sem descer do garboso cavalo que montava foi se dirigia para o início da fila, uma vez que sua posição social e seu título de nobreza lhe autorizava ser o atendido primeiro.
Enquanto passava por aqueles que pacientemente esperavam para falar com o poderoso homem, via gente de todo o tipo, de todos os lugares, de todas as idades.
E assim, chegou na frente da fila e não quis esperar. Insistentemente bateu à porta  afim de solicitar atendimento rápido, uma vez que faria apenas três perguntas ao Poderoso sábio para ter certeza dessa condição e se tais perguntas não fossem respondidas, decretaria a morte do enganador em praça pública- num lindo dia de sol- e assumiu como de fato devia ser, a condução daquele povo que vivia nos arredores do seu castelo.
O cavaleiro tinha certeza que o homem era um farsante, vivia num casebre em ruínas, sozinho, pelo que soube, não tinha sequer um cavalo velho e manco, não possuía gemas nem ouro enfim- nada tinha, nada era.
E assim, bateu por longo período até que de repente a porta  abriu-se e um ancião  surgiu e com sua mão descarnada ordenou a entrada do nobre que foi convidado a sentar-se num tosco banco de madeira.
_ Então, que problemas lhe traz aqui em minha humilde casa?- Fale em nome de Deus.
E o nobre disse: _ Tenho ouro e tenho prata, tenho coragem e saúde, tenho brasão e medalhas, família, escravos e amigos, mas, sinto que algo me falta: o conhecimento e a fama que gozas e que lhe traz tanto sucesso e estima.
O velho ouviu sem nada demonstrar e pediu, novamente que o nobre falasse que problemas queria aconselhamento.
O nobre mal intencionado ruminava a inveja e a cólera ao perceber o rumor do povo lá fora e sabia que se dominasse aquela turba poderia até mesmo iniciar uma revolução e tomar a coroa do rei, deixando de ser nobre cavaleiro e passando a ser o Rei daquela Corte.
Tenho três problemas que me assolam o espírito e me tiram o sono e a fome. Se eu soubesse a resposta eu dominaria o mundo: o primeiro, eu gostaria de saber a distância exata em metros centímetros e milímetros entre meu castelo e a casa de minha mãe que vive a 1 ano de distância e a quem não vejo desde a minha mocidade; o segundo porque nascemos, crescemos e organizamos nossa vida e temos nossos filhos: serão os filhos prêmios ou castigos? E a terceira, é porque um homem como você, que nem roupa tem no corpo é tão respeitado e admirado por todos, uma vez que nada mais tem a oferecer aos necessitados do que consultas sobre assuntos comuns, enquanto outros como eu, que ofereço ajuda em ouro e prata, dou trabalho e abrigo, além de segurança não sou reconhecido pelos demais com tanto fervor.
O velho  olhou para o homem e muito sério disse:_ A resposta para as três questões é apenas uma palavra: “AMOR”.
_ COMO?- Perguntou o cavaleiro.
_ A distância entre o seu castelo e a casa de vossa mãe é a medida do amor que tens por ela. Se tiver muito amor, será apenas alguns centímetros e se não tiver são quilômetros instransponíveis. Quanto ao fato do homem ter filhos e se condenar a uma vida de preocupações ao invés de uma vida de prazeres é o amor, o amor por si mesmo, por querer ter quem os suceda neste mundo, alguns, depois passam a amar os filhos e transferem para eles o amor próprio e egoísta que sentiam por si mesmos, nesta caso, os filhos não são condenações,e, sim, um prêmio divino de perpetuação. Se não for assim, os filhos serão condenação e dificuldades. E a terceira que agradeço por se relacionar à minha pessoa também o amor, nada mais dobra este povo do que o amor. O amor desinteressado, de se preocupar com cada um que aqui vem em busca de ajuda e pelo amor que eu preencho a minha falta de conhecimento sobre números, fatos e Ciência; pois tudo o que se resolve com aparelhos, mecanismo, riqueza e poder, se resolve muito bem com amor. O ouro e a prata são ajudas passageiras mas, palavras de amor são tesouros inesquecíveis, que jamais são esquecidas. A hospitalidade, a segurança, a oferta de trabalho são frágeis diante da ingratidão humana. Mas, o amor grava o coração de quem o recebe e não se apaga jamais. Nada detém o ser humano em suas maldades e crueldades; nada diminui o sofrimento e a dor de quem sofre; nada neste mundo supre a fome, a saudade e o abandono a não ser o amor: uma palavra de amor ecoa pra sempre na lembrança de quem a ouviu em um momento de aflição ou de solidão. Quem conseguir entender e praticar esta Verdade dominará o mundo!
_ E porque não o fazes? Por que não dominas o mundo?
_ Mas, estás enganado, senhor: eu domino o mundo!
Desconcertado, o cavaleiro saiu dali pensando, tentando, inutilmente assimilar tudo o que tinha ouvido.

30/05/2014- Pai Benedito de  Aruanda.



A VERDADEIRA CARIDADE- trino Araken




O espírito que ama Jesus, ele é livre. A qualquer momento em qualquer lugar, ele pode estar fazendo a Caridade. Fazer a caridade não é só vir aqui, incorporar, ir pra lá, pra cá. A todo instante alguém precisa de uma palavra, de uma ajuda. Na nossa vida, Durante o dia nos deparamos várias vezes. Quantas vezes nós deixamos pessoas, que às vezes só queriam um sorriso, uma moedinha, uma criança, um salgadinho, qualquer coisa assim, e nós víamos as costas. Uma palavra, às vezes um cigarro, “ah, este bêbado, vou dar um cigarro pra ele coisa nenhuma”. E se nós temos um procedimento desse jeito, não é porque queremos ajudar um espírito reencarnado, o que é muito mais difícil. As vezes chega um colega de trabalho, um parente, e assim por diante, meus irmãos. Sempre temos oportunidades. Quem ama, meus irmãos, quem quer fazer o bem, ele é livre. Ele não olha a fisionomia, postura. aparência, ele não olha nada disso.

Eu repito: falar é fácil. Eu estou falando. Eu sei que é difícil 
nosso caminho. Meus irmãos, Jesus, nos três anos que ele levou 
a mensagem de AMOR,  a mensagem do PERDÃO, ele escolheu o local certo para dar a Mensagem. Em quelquer lugar que ele entrava, numa cabana, fazia uma cura, caminhava numa estrada à beira di rio Jordão, nas montanhas, em qualquer lugar meus irmãos. Emitiu com tanto AMOR, tanta Energia, que depois de dois mil anos depois de dois mil anos meu irmãos ainda está impregnada por aí. Vocês imaginem o AMOR deste Iniciado. E milhões e milhões emitem em nome Dele. Vamos ser um destes também, temos tudo para ser um deles. Salve Deus.

( aula de Sétimo)

ENERGIZAÇÃO PELA MENTALIZAÇÃO.





Pode ser a energização dos chackras, harmonizando e recompondo o fluxo energético, procedendo-se  mentalização em local tranquilo e deitado ou sentado, numa posição que propicie conforto e relaxamento. Comece a respirar bem profundamente, em ritmo pausado e lento, sentindo se corpo cada vez mais tranquilo e relaxado. Leve sua mente até os dedos dos pés e imagine que eles estão ficando completamente relaxados. Você a energia relaxante ir subindo, lentamente, pelos pés.... pelos calcanhares...pelos tornozelos...pela barriga da perna...pelos joelhos... pela coxas, chegando até os quadris; conduza, então, a energia relaxante em volta dos braços e ombros, entrando pelo pescoço... pelo rosto... e chegando à cabeça. Neste ponto, você deverá ter atingido total relaxamento. Quando expirar, expila o ar pela boca, mentalizando tudo o que quer expulsar de dentro de si, livrando-se dos sentimentos que não mais deseja. O nível de tranquilidade pode ser melhorado com música suave, um  incenso e respiração profunda e bem compassada, imagine-se dentro de uma pirâmide, num ambiente colorido que pode ser modificado de acordo com o comando de sua mente. Pode, também, segurar um cristal e imaginar esse cristal emitindo raios na cor que você pretende trabalhar Quando sentir que conseguiu atingir um bom grau de relaxamento, comece a trabalhar os seus chakras, dispensando cerca de 30 segundos para cada uma das seguintes etapas, ordenando mentalmente, a seus órgãos que tenham um bom funcionamento e mentalizando-os para sentir se há algum problema ligado a eles.
O homem deve mentalizar o chackra básico  mentalizar a cor vermelha
A mulher mentaliza o chackra esplênico em ambiente de cor alaranjada,prourando sentir os pés, a pernas e seus órgãos genitais. Indaque se sua saúde está boa,amplie sua força de vontade, coragem e sua boa disposição para o trabalho.
Concentre-se no chackra umbilical ou solar, numa ambiente amarelo dourado e verifique seu órgãos desta área: bexiga, rins intestinos, baço, estômago e fígado. Busque seu equilíbrio emocional, metalizando fatos que tenham originado algum sentimento negativo, ansiedade, insegurança.
Mentalize o chackra cardíaco, numa ambiente verde. verifique o coração, os pulmões, os braços e as mãos. Elimine sentimentos qulimine sentimentos que o tenham levado a tristezas, mágoas, angústias ou depressão.
Passe ao chackra laríngeo, em ambiente azul turquesa, em ambiente azul turquesa, verificando como e estão sua garganta, e suas vias respiratórias. Investigue se tem tido problemas com a comunicação ou com sua criatividade.
Termine mentalizando seu chackra frontal, mergulhando num ambiente azul índigo investigando os órgãos sensoriais- olhos, ouvidos, nariz e boca- e verificando o cérebro, sentindo como está funcionando dentro do equilíbrio necessário à intelectualiadade e à sensibilidade.
Em qualquer dessas estapas, se sentir algum problema com algum órgão mentalize fortemente ou por mais tempo o chackra correspondente recebendo a energia colorida que irá fortalecê-lo


( de acordo com “Observações Tumarã, p.389 e 390)