quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

História de Vovó Catarina de Aruanda-A Verdadeira riqueza.

Esta história foi contada em um atendimento no Trono vermelho do vale do Amanhecer por Vovó Catarina de Aruanda. É para guardar no coração!




imagem da internet

Um homem percebendo que se aproximava o dia de seu desencarne e se preocupando com o seu único filho, já uma rapaz, chamou-o a fim de lhe entregar alguns objetos.
_ Meu filho- disse o homem- vou te deixar esta mala, cheia de coisas que, um dia, você poderá precisar. Cuide bem deles, porque são verdadeiros tesouros.
Pouco tempo depois, o homem morreu.
Após a morte do pai, o rapaz resolveu sair pelo mundo e levou consigo a mala. Porém, antes de viajar resolveu analisar o que tinha dentro da mala e descobrir os tesouros. Decepcionado, o rapaz viu que dentro da mala tinha um livro um agasalho, um par de sapatos e uma espada. Intrigado, resolveu olhar com mais atenção e pegou o livro. O livro era velho e já amarelado e nada continha de interessante em sua páginas, porém, continha na capa uma linda ilustração em ouro e o rapaz resolveu arrancá-la e levá-la, jogando o livro no lixo. Depois, pegou o agasalho e viu que era feito de um tecido grosso e encorpado, capaz de suportar baixas temperaturas. Porém, estava velho e desbotado; mas tinha lindos botões de prata que poderiam valer algum dinheiro. O rapaz arrancou os botões do agasalho, guardou-os na mala e jogou o casaco no lixo. Em seguida o rapaz pegou o sapato e percebeu que era um sapato reforçado, nada demais. Estava velho e precisava de reparos, porém tinha lindas fivelas com pedras preciosas e arrancando-as, jogou fora o sapato. Depois pegou a espada e pode ver que era uma peça antiga, talvez da era em que seu pai era jovem e também saiu plo mundo. Mas, isto e coisa antiga, não precisamos de espada atualmente e arrancando o punho da mesma que parecia valer alguma coisa, jogou a lâmina fora.
Assim munido da mala e das partes do “tesouro” que o pai lhe deixara seguiu em frente. Não demorou muito para  passar em um terreno pantanosos e perdeu os bons sapatos que calçava. Depois viu-se obrigado a andar em um solo pedregoso que lhe tirou sangue dos pés. lembrou-se então dos resistentes sapatos que tinha jogado no lixo ficando apenas com suas fivelas, que de nada lhe serviam.
Vencido este primeiro problema seguiu em frente e perdeu-se na floresta. lembou-se que o livro  que seu pai lhe deixara tinha um capítulo sobre orientação mas, ele havia jogado o mesmo fora ficando somente com sua capa banhada a ouro e dias e dias vagou até que foi socorrido por um camponês.
Mais adiante, viu neve caindo do céu e seu casaco foi insuficiente para aquecê-lo, arrependeu-se de ter desfeito do grosso e velho agasalho que fora do pai e seu botões de prata de nada valiam naquela hora. Com sacrifício, seguiu em frente, até ver-se rodeado por ladrões e, sem a espada nada pode fazer senão entregar aos mesmos a mala e o seu conteúdo.

Filho- disse Vovó Catarina de Aruanda- o Pai nos dá os tesouros que necessitamos para esta viagem. Cada um ao nacer recebe uma mala com tudo que vai precisar para vencer as dificuldades. Acontece que, muitos não reconhecem os tesouros verdadeiros e se iludem com detalhes que nada valem, Cuide de seu tesouro, observe, descubra o que é verdadeiro tesouro em você e o que é apenas ilusão!

·         As palavras da querida Preta velha foram modificadas devido ao seu linguajar brejeiro, para que compreendamos a mensagem sem qualquer dúvida.Salve Deus.


2 comentários: