sábado, 9 de abril de 2011

A Raiz dos Himalaias( a transcedentalidade na Doutrina do Amanhecer)

    Meus amados, esta postagem teve sua primeira parte em 23/11//10 e 20/01/11; integram palestra do I Seminário do Amanhecer de Minas Gerais, em Ipatinga-MG, pelo Trino Triada Tumarã, em 15.8.98). Trata das diversas encarnações do Povo Jaguar, sendo que os primeiros textos trataram da vinda desta tribo para este planeta, oriundos de Capela. Convido-os, agora, a saber sobre a "Raiz dos Himalaias".

 A Raiz dos Himalais no vale do Amanhecer



   Expandindo-se pelos povos mongóis e chineses, esta raiz a ser conhecida a partir do século VI A.C., quando nasceu o príncipe Sidharta gautama ( 566-486 A.C), filho do rei Suddodhana e da rainha Mayadevi, que morreu no parto, no reino de Kapilavastu, região do Nepal, nos Himalaias. Chocado com a morte da esposa, o rei decidiu manter seu filho longe da maldade do mundo e o criou confinado no imenso palácio, sob a orientação de uma tia, direcionando sua educaçção para a sucessão real, treinando-o no manejo das armas e práticas de combate, encarregando o sábio Visvamitra de sua educação moral e espiritual. Completado seus dezesseis anos, Sidharta se casou com Yasodhara, tendo um filho- Rahula. Um dia, já com 29 anos e cansado de ser prisioneiro de seu pai, Sidharta se disfarçou de mercador e, acompanhado por um fiel servo, escapou do palácio e foi conhecer o mundo exterior, ficando profundamente chocado com a miséria que viu, com as doenças e pobreza do povo. Desiludido com o pai, que lhe afirmara, semprem que só havia alegria e felicidade em seu reino, abandonou o palácio, a família e o poder, obcecado  pela ideia de decobrir as origens da dor e da mortem e se juntou a uma grupo de brâmanes, usando apenas uma túnica amarela e levando uma tijela para recolher parcos alimentos recebidos como esmola, inquieto e insatisfeiro, pois não conseguia obter o aprendizado que desejava, sentindo a fragilidade das explicações dos Brâmanes, foi meditar sob oa ramos de uma figueira sagrada- Bodh- no alto do Monte Gaya. Mergukhado em profundo êxtase, enfrentou e resistiu a perigosas tentações. obtendo triplo conhecimnto: a memória das vidas passadas; o nascimento e morte dos seres; a destruição em si mesmo dos desejos qu causam as reencarnações sucessiavas na nesta Terra, recebendo instrução dos espíritos superiores e a denominação de Buda- o iluminado- ou Tathagata- o wu alcançou a meta- tendo a certza de que seria aquela a sua ultima rencarnação neste plano. Em Rishipatana, num pequeno círculo de cinco ascetas qu se reuniram em Rishipatana, num pequeno círculo deascetas que se que se reuniam no Mragadava, perto de Varanasi, começou sua preação  que iria durar 55 anos, baseada na ideia de que a ignorância era a causa real de toda a aflição do Homem. Foi composto o  Tripitaka, livro de sermões e leis, escritos por Buda, destacando-se o Sermão da Boa lei que ensinava, seis séculos sntes de Cristo, ideias e princípios que seriam pregados por Jesus em seu Sermão da Montanha. As dez perfeições búdicas são: a dádiva, o dever, a renúncia, o discernimento, a coragem, a paciência, a verdade, a resolução, o carinho e a serenidade. Pela evolução espiritual o Homem alcançaria o Nirvana- identificação com Deus-, um ser incognoscível, acima da compreensão humana. Quando Buda desencarnou em KUSINAGAVA, deixou a doutrina bem estruturada, com base em ensinamentos sobre uma conduta reta e honrada, devendo seus seguidores serem moderados nas paixões e na bebida,  evitarem negociar escravos, armas, bebidas e venenos, e manterem atitudes positivas, sempre com amor, honetidade, bondade e caridade.Foi muito difundida no oriente sendo a Religião adotada na China, no Tibet, no Ceilão, na Birmânia e no Japão. Uma derivação do budismo aconteceu no século II A.C., quando surgiu o Hinayama- o Pequeno Veículo-, mantedo os ensinamentos de Buda, prevalecendo no Ceilão, no Sião, na Indochina e em Burma. Mas a linha qu manteve o veio energético, desde suas origens no Himalaias, foi a Mahayana, Budista com influência Induísta, com rituais pomposos, distribuída pelo Tibet, Mogólia, Nepal, China, Coréia e Japão, tendo como líder o Dalai Lama. Esta raiz- O Mundo Encantado dos Himalaias- é invocada na Doutrina do amanhecer, especialmente na consagração de Espadas. No Tibet, durante séculos, foram preparados muitos iniciados qu, trabalharam em concentração, como verdadeiros espíritos extraterrestres. Não há, paa cientistas e pesquisadores da atualidade, qualquer explicação plausível para tal concentração de intensidade de conhecimentos transcedentais e de construções naquelas montanhas, nas condições mais adversas. Enquanto as outras Raízes foram desaparecendo, por questões ligadas á própria evolução psico-física de seus descendentes, a do Himalaia permaneceu ativa. Houve uma trasfer~encia daquele foco crístico para a área onde estavam concentrados os vários tipos de humanidade, na Palestina, lugar escolhido para a chegada de Jesus. Entre o Tibet e o Oriente Médio, havia uma comunicação, apesar da distãncia imensa. A comunicação era rápida e, na época de Jesus, José de Arimatéia era o responsável por estas comunicações. Inclusive, Maria e José, visitavam Jesus no Tibet! O povo tibetanto atua sobre as pessoas que estavam com Jesus, da mesma forma que, hoje, entidades atuam sobre nós.Os Lamas tibetanos preparam toda a infra estrutura para a chegada de Jesus. Os Lamas projetavam sobre os Ápóstolos e eram eles que falavam através deles. Daí a ligação entre os tempos mais remotos, mais longinquos, e os Grandes Iniciados, que estavam preparados para receber aquele impulso crístico. Aí vemos que Jesus foi parte do sistema. O Sistema como um todo, é o Verbo Divino, e sempre existiu em todos os tempos. Do Tibet, aquela força poderosa seprojetou na Palestina, continua viva e atuante, até hoje se manifestando nos diversos trabalhos do Vale do Amanhecer.

Salve Deus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário